O Rio Que É Verde

No primeiro módulo do REDE ESCOLA RIO, onze unidades da rede municipal de ensino falam da relação dos cariocas com a maior floresta urbana do planeta, com suas ruas arborizadas e paredes de concreto.

Inspirada no livro O Rio Que É Verde (Bang Livros), a proposta é estimular a produção crítica e criativa de estudantes e educadores e gerar a reflexão sobre os benefícios e desafios que a extensão verde da cidade coloca, a importância de sua ampliação, preservação e a necessidade de soluções sustentáveis.

A equipe da Bang Filmes criou especialmente para o primeiro módulo do RER, um curta-metragem metalinguístico, experimentando diversas formas audiovisuais para falar sobre O Rio Que É Verde. O filme RIO QUE TE QUERO VERDE, exibido e debatido, inicia uma série de três oficinas multimídia em cada escola. Os encontros visam oferecer condições para as turmas desenvolverem seus próprios projetos. Os professores ainda participam de uma oficina-passeio no Campo de Santana, palco de grandes momentos da história do Brasil, onde a equipe da Trilharte oferece dicas de fotografia de natureza.

Todas as salas de leitura das escolas participantes ganham um exemplar do livro O Rio Que É Verde, que vem acompanhado de um Guia de Plantio, e uma cópia do DVD de coletânea do RER. As turmas atendidas recebem arquivos audiovisuais para usarem em suas próprias produções. Todos os professores e alunos recebem um material pedagógico impresso com orientações para seus trabalhos e, aqui no menu lateral desta página, também estão disponíveis informações interessantes, acessíveis a qualquer pessoa que queira conhecer e produzir obras audiovisuais sobre a cidade do Rio de Janeiro.

Bibliografia Sugerida

Passeio Público

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 27 a 29.

www.revistadehistoria.com.br/secao/por-dentro-do-documento/voce-sabia-1

www.rdvetc.com/2011/recantos-do-rio-o-passeio-publico/

www.ashistoriasdosmonumentosdorio.blogspot.com/2011/12/o-passeio-publico-do-rio-de-janeiro.html

www.rioemcena.com.br/?page_id=363

Jardim Botânico

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp.109 a 114.

www.memoriabravobrasil.com.br/diversos-historia.htm

www.pt.wikipedia.org/wiki/Palmeira-imperial

www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/rio-de-janeiro/jardim-botanico-do-rio-de-janeiro.php

www.oguialegal.com/08-pesqespjardim.htm

www.revista.brasil-europa.eu/123/Palmeira_imperial.html

Quinta da Boa Vista

ABREU, M.A.1992. Natureza e Sociedade no Rio de Janeiro. Edição do Departamento Geral de Documentação da Biblioteca Carioca da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro.

CÂMARA, M. A. da. Discurso sobre a utilidade da instituição de jardins nas principais províncias do Brasil. In: Câmara, M. A. da. Manuel Arruda da Câmara: obras reunidas. Coligidas e com estudo biográfico por José Antonio Gonsalves de Mello. Recife. Prefeitura da Cidade. 1982. pp.195-227.

DENIS, F. Brasil. Belo Horizonte. Itatiaia. São Paulo. Edusp. 1980. p.129.

SEGAWA, H. Os jardins públicos no período colonial e o Passeio Público do Rio de Janeiro. Barroco, Belo Horizonte, n.12, pp.147-160. 1982/83.

SEGAWA, H. Ao amor do público: jardins no Brasil. São Paulo. Studio Nobel. Fapesp, 1996. pp.109-113, 114-120.

VANDELLI, op. cit. pp. 295-296. Transcrição com ortografia atualizada.

Fundação Riozoo – Secretaria Municipal de Meio Ambiente da Prefeitura da Cidade do
Rio de Janeiro.

Fundação Parques e Jardins – Secretaria Municipal de Meio Ambiente da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 16 a 19.

www.museunacional.ufrj.br/

www.museuhistoriconacional.com.br/mh-g.htm

Campo de Santana

DEHAULT, E., JUNQUEIRA E. BULHÕES, A. Fontes d’Art - Chafarizes e estátuas franceses do Rio de Janeiro – ASPM e Films Books & Music - Rio de Janeiro, 2000.

GOMES, Laurentino. 1808. São Paulo: Planeta, 2007.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras – Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 1995.

LORENZI, H., Souza. Plantas Ornamentais do Brasil – Arbustivas, herbáceas e trepadeiras - 2ª Edição Nova Odessa, SP, 1999.

MACEDO, Silvio Soares. Parques urbanos no Brasil - Editora da Universidade de São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2002 [Coleção Quapá].

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 24 a 26.

Instituto Iguaçu de Pesquisa e Preservação Ambiental - Fundação MUDES, em parceria com a Fundação Parques e Jardins, documento: Conhecendo o Campo de Santana.

DIAS, Vera. A história dos monumentos do Rio de Janeiro. Disponível em: www.ashistoriasdosmonumentosdorio.blogspot.com/2010/10/campo-de-santana-o-nome-desde-sua.html

Parque Guinle

ABREU, M.A. 1992. Natureza e Sociedade no Rio de Janeiro. Edição do Departamento Geral de Documentação da Biblioteca Carioca da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro.

ALCÂNTARA, Denise. Projeto Desempenho Urbano e Construção do Lugar – Avaliação da Qualidade Ambiental do Parque Guinle no Rio de Janeiro - Dissertação de Mestrado - Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2002.

ANDREOLI, Elizabetta; PORTY, Adrian. Arquitetura Moderna Brasileira, Londres - Phaidon, 2004.

AUGÉ, Marc. Lugares e não Lugares - Campinas, Papirus 1994.

BACHELAND, Gaston. A Poética do Espaço - São Paulo: N. Cultural (os Pensadores), 1988.

BENEVOLO, Leonardo. História da Arquitetura Moderna, 3ª. Edição - São Paulo - Editora Perspectiva, 2004.

BERGER, Paulo. Dicionário Histórico das Ruas do Rio de Janeiro, da Glória ao Cosme Velho. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa.

BLOSSFELD, H. Jardinagem. Resumo histórico da prática da jardinagem por iniciativa oficial, profissional e particular. Edições Melhoramentos, Rio de Janeiro - RJ.

COMAS, Carlo Eduardo D. A Racionalidade da Meia-Lua, Apartamentos do Parque Eduardo Guinle no Rio de Janeiro, Brasil, 1948 -1952.

COSTA, Lucio. Lucio Costa, Registro de uma Vivência - São Paulo, Editora Universidade de Brasília, 1995.

DEL RIO, Vicente. Introdução ao Desenho Urbano no Processo de Planejamento - São Paulo, Editora Pini, 1990.

DEL RIO, Vicente; OLIVEIRA, Lívia (org.). Percepção Ambiental à Experiência Brasileira - São Paulo, Studio Nobel, 1999.

TONHASCA Jr. A. Ecologia e história natural da Mata Atlântica. Editora Interciência, Rio de Janeiro, 2005.

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro – Anuário Estatístico da Cidade do Rio de Janeiro - Empresa Municipal de Planejamento S/A - IPLAN Rio, 1999-2000.

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro – Secretaria Municipal de Meio Ambiente - Fundação Parques e Jardins.

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 155 a 158.

www.archdaily.com.br/14549/classicos-da-arquitetura-parque-guinle-lucio-costa/

www.jornalriocarioca.com/jornal/a-historia-do-parque-guinle/

www.radardecoracao.com.br/11/casas-dos-guinle/

www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1308072398_ARQUIVO_OPalaciodasLaranjeiraseaBelleEpoquenoRiodeJaneiroGustavoReinaldoAlvesdoCarmo.pdf

www.portaldocidadao.rj.gov.br/visita_virtual/laranjeiras/HistoricoLaranjeiras.htm

Floresta da Tijuca

ABREU, Maurício de Almeida. A cidade, a montanha, a floresta. Em: Maurício de Almeida (org.). Natureza e Sociedade no Rio de Janeiro. Biblioteca Carioca, vol.2 - Rio de Janeiro, 1992.

ABREU, Maurício de Almeida. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos - IPP. 4ª Edição. Rio de Janeiro, 2006.

ALMEIDA, M. C.; PEIXOTO, S. L. Valoração da Taxa de Ocupação, Um Novo Desafio para o Parque Nacional da Tijuca. In: Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação.

ATALA, F. 1961, Archer e o Reflorestamento da Floresta da Tijuca - Vellozia vol nº 1, pp. 59-62.

BANDEIRA, C.M. 1993. Parque Nacional da Floresta da Tijuca – SP, Macron Books,169 pp.

BANDEIRA, Julio; XEXÉO, Pedro Martins Caldas e CONDURU, Roberto. A Missão Francesa. Ed. Sextante Artes. Rio de Janeiro, 2003.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Lei Federal nº 9.985/2000 – Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Brasília, 2000.

BERNARDES, L.M.C. Expansão do Espaço Urbano no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Geografia, 23(3) 495 – 525, Rio de Janeiro,1961.

BICALHO, A.M.S.M. 1989 - Captalizacion Rural em La Franja Urbana e Periurbana de La Zona Metropolitana del Rio de Janeiro. Revista Interamericana de Planificacion 22 (87/8): pp.179-93.

BUENO, C. 1998 - Conservação e Biodiversidade nos Parques Urbanos: Caso do Parque Nacional da Floresta da Tijuca. Tese de Mestrado em Gestão Ambiental - Universidade Estácio de Sá.

CASTRO MAYA R.O. de. A Floresta da Tijuca. Rio de Janeiro: Edições Block.

CESAR, Paulo Bastos. A Floresta da Tijuca e a cidade do Rio de Janeiro. Ed. Nova Fronteira. Rio de Janeiro, 1992.

CHALHOUB, Sidney. Cidade Febril - Cortiços e Epidemias na Corte Imperial. Ed. Companhia das Letras. São Paulo, 1996.

DEAN, Warren. A ferro e fogo - A história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. Ed. Companhia das Letras. 2ª Edição. São Paulo, 1998.

ESTEVES, F.A. (Ed.) Ecologia Brasiliensis I: Ecologia, Funcionamento e Manejo de Ecossistemas - UFRJ, Rio de Janeiro pp. 557-568.

FAUSTO, Bóris - História do Brasil – EDUSP.

FEEMA - 2004. Relatório anual de qualidade do ar, 2003 – Departamento de Planejamento Ambiental – Divisão de Qualidade do Ar - Rio de Janeiro - RJ.

FERNANDES, M.C., 1998. Geologia do Maciço da Tijuca - RJ - Uma Abordagem Geo-hidrológica, Dissertação de Mestrado - Instituto de Geografia da UFRJ. 141 pp.

KOSHIBA, Luiz. História do Brasil - Editora Atual.

LAPA, J. R. A., 1984 – A Economia Cafeeira - São Paulo.

LIMA, Eduardo Coelho de. A Importância da Floresta da Tijuca na Cidade do Rio de Janeiro – Monografia de Conclusão de Curso de Especialização e Gestão Ambiental de Bacias Hidrográficas (CGAHB).

LINO, C.F. Reserva da Biosfera da Mata Atlântica – Campinas - SP, 1992,101 pp.

LOUREIRO, Carlos Frederico B. O movimento ambientalista e o pensamento crítico - uma abordagem política. Quartet. 2ª Edição. Rio de Janeiro, 2006.

OLIVEIRA, R.R.; CESAR, P.B. A Floresta da Tijuca e a Cidade do Rio de Janeiro - Ed. Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1992.

PADUA, J.A. Um Sopro de Destruição, Pensamento Político e Crítica Ambiental no Brasil Escravagista (1786 -1888), Jorge Zahar Editora - Rio de Janeiro, 2002.

RADAMBRASIL 1983 – Projeto: Levantamento de Recursos Naturais, Folha SF. 23/24 - Rio de Janeiro/Vitória - RJ, 775 pp.

SCHEINER, T.C.H. Ocupação Humana no Parque Nacional da Tijuca – Aspectos Gerais. Brasil Florestal, vol. 7, nº 28 p. 27,1976.

TONHASCA Jr. A. Ecologia e História natural da Mata Atlântica - Editora Interciência - Rio de Janeiro, 2005.

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 40 a 45 e 105 a 108.

www.iphan.gov.br/ans.net/tema_consulta.asp?Linha=tc_arque.gif&Cod=1777

www.rio.rj.gov.br/fpj/pqlage.htm

pt.wikipedia.org/wiki/Parque_Lage

Parque Ary Barroso

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 133 a 135.

www.inepac.rj.gov.br/modules.php?name=Guia&file=consulta_detalhe_bem&idbem=343

www.rio.rj.gov.br/fpj/pqaribarroso.htm

www.wikimapa.org.br/mapeados/250sagu cycas sp – cycadaceae

www.mercadoverde.com.br/conteudo.php?origem=planta&id=84

www.arvores.brasil.nom.br/florin/sombrei.htm

www.marthaargel.com.br/ornitologia/aves_urbanas/thsa.htm

www.wikiaves.com.br/lavadeira-mascarada

www.wikiaves.com.br/suiriri

www.edsite.webnode.com.br/products/corruira-ou-cambaxirra-troglodytes-aedon-/

www.inepac.rj.gov.br/modules.php?name=Guia&file=consulta_detalhe_bem&idbem=343

Aterro do Flamengo

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 59 a 63.

www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/07.079/288

www.jornalriocarioca.com/jornal/?p=1160

www.bndigital.bn.br/redememoria/perpassos.html (período que Pereira Passos viveu em Paris)

www.textosdetherezapires.blogspot.com/2011_12_01_archive.html

www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=marcos_texto&cd_verbete=3967

www.fazendogenero.ufsc.br/9/resources/anais/1277920454_ARQUIVO_LotadeMacedoSoareseElizabethBishopp.rojetosinterrompidos.pdf

Parque Garota de Ipanema

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 89 a 90.

www.guiadasemana.com.br/rio-de-janeiro/turismo/parques/parque-garota-de-ipanema

www.dicionarioinformal.com.br/amendoeira-da-praia/

www.morcegolivre.vet.br/atrai.html

www.meioambiente.pro.br/arpoador/questaoambientais.html

www.restingaviva.blogspot.com.br/2010/06/o-que-sao-as-restingas.html

www.guiaguaruja.com.br/nossasbelezas/meioambiente/restinga.htm

www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/arvores-algodoeiro-da-praia/arvores-algodoeiro-da-praia.php

www.agromundo.com.br/?p=3874

Parque do Grajaú

ABREU, Maurício de Almeida. A cidade, a montanha, a floresta. Em: Maurício de Almeida (org.). Natureza e Sociedade no Rio de Janeiro. Biblioteca Carioca, vol. 2 - Rio de Janeiro, 1992.

ABREU, Maurício de Almeida. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos - IPP. 4ª Edição. Rio de Janeiro, 2006.

BARROSO, Graziela Maciel. Sistemática de angiospermas do Brasil. Rio de Janeiro. Livros Técnicos e Científicos. Editora da Universidade de São Paulo. 1978. 255 pp.

DEAN, Warren. A ferro e fogo - A história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. Ed. Companhia das Letras. 2ª Edição. São Paulo, 1998.

FAUSTO, Bóris. História do Brasil - EDUSP.

GENTCHOJNICOV, Irina Delanova. Manual de taxionomia vegetal: Plantas de interesse econômico agrícolas, ornamentais e medicinais. São Paulo. Editora Agronômica Ceres. 1976, 368 pp.

JOLY, Aylton Brandão. Botânica: Introdução à Taxionomia Vegetal. 4ª edição. São Paulo. Editora Nacional. 1977, 777 pp.

KOSHIBA, Luiz . História do Brasil - Editora Atual.

LORENZI, Harri, 1949. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas do Brasil - Volumes 1 e 2 - Harri Lorenzi - 4ª. Edição Nova Odessa SP - Intituto Plantarum.

LORENZI, Harri, 1949. Plantas Ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras / Harri Lorenzi Hermes Moreira de Souza - 2ª. Edição Nova Odessa SP - Intituto Plantarum,1999.

MENEZES, A. Inácio. Flora da Bahia. Editora Nacional. Ed. Brasiliana. 1949. 265 pp.

PEREIRA, Césio & AGAREZ, Fernando Vieira. Botânica, Taxonomia e Organografia das Angiospermae, chaves para identificação de famílias. Rio de Janeiro. Editora Internacional Ltda, 1980,190 pp.

RIZZINI, Carlos Toledo & MORS, Walter Baptiste. Botânica econômica brasileira. São Paulo, EDU, Editora da Universidade de São Paulo, 1976. 207 pp. Il.

SCHUITZ, Alarich, R. Introdução ao Estudo da Botânica Sistemática. Porto Alegre, Globo, 1939. 559 pp.

THAMES, Alfreda William. Botânica Sistemática. São Paulo, Gráfica Editora Andrade, 1977. 218 pp.

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 122 a 124.

www.rio.rj.gov.br/web/sgt/exibeConteudo?article-id=94949

www.clinicagenesis.net/nomes/i.htm

www.tijuca-rj.com.br/pracas-e-jardins/parque-estadual-do-grajau/

www.inea.rj.gov.br/unidades/pqpeg.asp

www.correiocarioca.com.br/html/materias/reserva_grajau.html

www.guiadeescaladasdograjau.blogspot.com.br/

www.soulbrasileiro.com.br/main/rio-de-janeiro/zonas-e-bairros/zona-norte/grajau/grajau/

www.agroflorestacafe-mococa-sp.blogspot.com.br/2008/09/pau-dalho-gallesia-integriflia.html

www.esalq.usp.br/trilhas/medicina/am18.php

www.maniadeamazonia.com.br/catalogo_ficha.asp?ArvoreID=255

Parque Chico Mendes

COSTA J. M. et al., 2001. Odonatos coletados no Parque Ecológico Municipal Chico Mendes (Unidade de Conservação Ambiental), Rio de Janeiro, Brasil. Entomol. Vect. 8 (4): pp. 431-448.

Espécies ameaçadas no Município do Rio de Janeiro: flora e fauna. Editora da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro - PCRJ e Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC, 2000, 68 pp.

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 155 a 158.

www.zoologico.sp.gov.br/repteis/jacaredepapoamarelo.htm

www.vivaterra.org.br/repteis.htm#jacarepapoamarelo

www.jardimdeflores.com.br/CURIOSIDADES/A24aguap%C3%A9.htm

www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/jacareamarelo.htm

www.institutoiguacu.com.br/iipp.a/?page_id=177

www.instiguacuambiental.org.br/Parques/chico_mendes.htm

www.biologiasilvestre.blogspot.com.br/p/crocodilianos.html

www.feth.ggf.br/Barra.htm

www.docomomo.org.br/seminario%206%20pdfs/Vera%20Rezende.pdf

Parque Penhasco Dois Irmãos

AB’SABER, Aziz Nacib e CHACEL, Fernando de Magalhães. Modelo de curso de planejamento paisagístico. Brasília - DF, Departamento de Documentação e Divulgação, 1976.

ARAÚJO, Dorothy S.Dunn. As comunidades vegetais das margens da Lagoa de Jacarepaguá. Rio de Janeiro, Cadernos FEEMA, Série Técnica, 1978.

ABREU, M.A. Natureza e Sociedade no Rio de Janeiro. Edição do Departamento Geral de Documentação da Biblioteca Carioca da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, 1992.

BLOSSFELD, H. Jardinagem. Resumo histórico da prática da jardinagem por iniciativa oficial, profissional e particular. Edições Melhoramentos, Rio de Janeiro - RJ.

MOTTA, Flavio L. Roberto Burle Marx e nova visão da paisagem. Editora Nobel, São Paulo, 1984, 248 pp.

TONHASCA Jr. A. Ecologia e História Natural da Mata Atlântica. Editora Interciência,
Rio de Janeiro, 2005.

IGUAÇU, Instituto de Pesquisa e Preservação Ambiental - Centro de Educação Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável - CEADS.

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro - Secretaria Municipal de Meio Ambiente - Fundação Parques e Jardins.

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 91 a 93.

www.institutoiguacu.com.br/Parques/dois_irmaos.htm

www.sirkis.achanoticias.com.br/sirkis/clipp.ing.kmf?cod=7569940&canal=262

www.arquitetura.ufc.br/professor/Clarissa%20Sampaio/2011-1%20PU-/etapa%2002/artigos%20seminario%20APP./GT1-181-112-20070730153938.pdf

Parque Professor Mello Barreto

AB’SÁBER, Aziz Nacib. Os Domínios de Natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo.

ABREU, Maurício de A. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IPLANRIO/Zahar.

CARVALHO HOSKEN S.A. Engenharia e Construções. Parque da Gleba E. Rio de Janeiro: A Entidade, 1992.

CHACEL, Fernando de Magalhães. Paisagismo e Ecogênese - Rio de Janeiro: Fraiha, 2001.

COSTA, Lúcia Maria S. A. Parques Públicos Contemporâneos no Rio de Janeiro: a contribuição de Fernando Chacel. In: SCHICCHI, Maria Cristina et al. Urbanismo: Dossiê São Paulo, Rio de Janeiro.

CERQUEIRA, R. Biogeografia das Restingas. In: ESTEVES, F. A. e LACERDA, L. D. (eds.).

Ecologia de Restingas e Lagoas Costeiras. Rio de Janeiro: Macaé: NUPEM/ UFRJ, 2000.

COSTA, Lucio. Plano-Piloto para a Urbanização da Baixada Compreendida entre a Barra da Tijuca, o Pontal de Sernambetiba e Jacarepaguá. Rio de Janeiro: Estado da Guanabara,1969.

DOURADO, Guilherme Mazza e equipe (org.). Visões de Paisagem: um panorama do paisagismo contemporâneo no Brasil. São Paulo: ABAP, 1997.

RIO DE JANEIRO (RJ). Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Manguezais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: a Secretaria, 2000.

TERRA, Carlos G. O Jardim no Brasil no Século XIX: Glaziou revisitado. Rio de Janeiro: EBA/UFRJ, 1996.

TABACOW, José (org.). Roberto Burle Marx: Arte e Paisagem (conferências escolhidas). 2ª ed. rev. e ampl. - São Paulo: Studio Nobel, 2004.

Referências e fotos: Chacel, Fernando Magalhães e Paisagismo. Ecogênese. Rio de Janeiro: Frainha, 2001. Permitido o uso pelo autor.

Outras referências: CONAN, Michel. Estética Jardim Contemporânea, Criação e Interpretações. Harvard University Press, 2007.

BURLE MARX, Roberto; MELLO BARRETO, Henrique Lahmeyer de; CARVALHO, José Cândido de Mello. Grupo Biológico das Lagoas Litorâneas. In: Revista Municipal de Engenharia. Distrito Federal: Prefeitura, Jan-Mar/1949. Vol XVI, n°14, p.14. Disponível em:

www.obras.rio.rj.gov.br/rmen/eletronica_burle/eletronica_html/9.htm. Acesso em 19 jul. 2007

www.abap.org.br/congresso/paginas_congresso/tema_1/Lia%20Gianelli/lia_gianelli.html

www.piniweb.com.br/construcao/noticias/recriacao-de-paisagens-na-barra-da-tijuca-rj-84678-1.asp

www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/mangue-preto/mangue-preto.php

CHACEL, Fernando M. A Paisagem em que vivemos. In: Revista Problemas Brasileiros n° 339, Mai/Jun. 2000. Disponível em:

www.sescsp.org.br/sesc/revistas_sesc/pb/artigo.cfm?Edicao_Id=81&breadcrumb=1&Artigo_ID=824&IDCategoria=997&reftype=1> Acesso em 04 Dez. 2006.

Parque Marcello de Ipanema

CERQUEIRA, R. Biogeografia das Restingas. In: ESTEVES, F. A. e LACERDA, L. D. (eds.) Ecologia de Restingas e Lagoas Costeiras. Rio de Janeiro: Macaé: NUPEM/ UFRJ, 2000.

COSTA, Lúcia Maria S. A. Parques Públicos Contemporâneos no Rio de Janeiro: a contribuição de Fernando Chacel. In: SCHICCHI, Maria Cristina et al. Urbanismo: Dossiê São Paulo - Rio de Janeiro. 1ed. Campinas: PUC - CAMPINAS/PROURB, 2003. pp. 275-285.

DIAS, J.; COSTA, L. D. Sugestões de Espécies Arbóreas Nativas Ocorrentes no Sul do Estado do Paraná para Fins Ornamentais. FAFIUV / 2008, Seção de Artigos. ISSN 1809-0559. Curitiba,Paraná, 2008. 28p. Disponível em: www.ieps.org.br/ARTIGOS-BIOLOGIA.pdf

DIAS, J. L. Z. A Tradição Taquara e sua Ligação com o Índio Kaigang. UNISINOS – Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo, RS, 2004. 65pp. Disponível em: www.anchietano.unisinos.br/publicacoes/textos/dias2004/jefferson.htm#download

IPANEMA, Cybelle de. História da Ilha do Governador. Rio de Janeiro: Livraria e Editora Marcello de Ipanema, 1991. 200 pp.

JURINITZ, C. F.; BAPTISTA, L. R. M. Monocotiledôneas Terrícolas em um Fragmento de Floresta Ombrófila Densa no Litoral Norte do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, n. 1, pp. 09-17, jan./mar. 2007. Disponível em: www6.ufrgs.br/seerbio/ojs/index.php/rbb/article/viewFile/885/41

KELLER, H. A. Plantas Usadas por los Guaraníes de Misiones (Argentina) para la Fabricación y el Acondicionamiento de Instrumentos Musicales. Darwiniana 48(1): 7-16. 2010. Disponível em: www2.darwin.edu.ar/Publicaciones/Darwiniana/Vol48(1)/7-16.Keller.pdf

KINUPP., V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870

LEITMAN, P., Henderson, A., Noblick, L. 2010. Arecaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: www.floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB015745

LINDENMAIER, D. S. Etnobotânica em Comunidades Indígenas Guaranis no Rio Grande do Sul. Universidade de Santa Cruz do Sul. Rio Grande do Sul, 2008. 44pp. Disponível em: www.scribd.com/doc/19857491/MONOGRAFIADiogo-Lindenmaier

MATTEUCCI, M. B. A. et al. A Flora do Cerrado e suas Formas de Aproveitamento. Universidade Federal de Goiás. Anais Esc. Agron. E Vet., 25(1): 13-30, 1995. Disponível em: www.revistas.ufg.br/index.php/pat/article/viewFile/2732/2744

OLIVEIRA, D. Nhanderukueri Ka’aguy Rupa. As Florestas que Pertencem aos Deuses. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2009. 182pp. il. Disponível em: www.pluridoc.com/Site/FrontOffice/default.aspx?Module=Files/FileDescription&ID=4402&lang

SCHULTZ, A. R. Botânica Sistemática. 3ª ed. Editora Globo. Porto Alegre, 1963. 428 pp. il. v. 2.

WEISER, V. L. Árvores, Arbustos e Trepadeiras do Cerradão do Jardim Botânico Municipal de Bauru, SP. Universidade Estadual de Campinas. Tese de Mestrado. 2007. 111pp. Disponível em: www.dominiopublico.qprocura.com.br/dp/72354/Arvores-arbustos-e-trepadeiras-do-cerradao-do-Jardim-Botanico-Municipal-de-Bauru-SP.html

CATÁLOGO DE PLANTAS E FUNGOS DO BRASIL, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. - Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em: www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf.

FEEMA. Vocabulário básico do meio ambiente, Rio de Janeiro: Petrobrás, Serviço de Comunicação Social, 1992.

FLORA ARBÓREA E ARBORESCENTE DO RIO GRANDE DO SUL, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349pp. il.

GLOSSÁRIO DE ECOLOGIA 2ª. Edição, São Paulo ACIESP, 1997 (Publicações).

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 125 a 126.

Instituto Pereira Passos da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro; IBGE. Tabela 1172 – Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH), por ordem de IDH, segundo os bairros ou grupo de bairros - 2000 (XLS - em português).

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515 pp. Disponível em: www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip

Prainha

ARAÚJO, D. S. D. Análise Florística e Fitogeográfica das Restingas do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Tese de Doutorado em Ecologia, 2000.

ARAÚJO, D. S. D. A Natureza das Restingas. 1987.

BEZERRA, R. G. Análise econômica dos sistemas agroflorestais do Projeto RECA (Capítulo 2). Disponível em: www.ufac.br/dep/dec/rogerio/RECA%20e%20Sistemas%20Agroflorestais.doc Acesso em: 20 ago. 2005.

DUBOIS, J. C. L.; VIANA, V. M.; ANDERSON, A. B. Manual agroflorestal para a Amazônia (Vol. 1). Rio de Janeiro, RJ: REBRAF, 1996. 228 pp.

GUERRA, M.F. Conflitos Ambientais em Fronteiras Urbanas: o caso do Parque Natural Municipal de Grumari, RJ. (Dissertação de Mestrado): Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

HADLICH, E.C. O uso do solo nas áreas de Mata Ciliar nas Bacias Hidrográficas dos Rios Dona Luíza e Ribeirão Matilde no Município de Atalanta. Tese de Mestrado. Florianópolis. UFSC, 2002.

MEDEIROS, J.D & OUTROS. Floresta com Araucárias: um símbolo da Mata Atlântica a ser salvo da extinção. Rio do Sul. Apremavi: 2004.

NEVES, V.C. O impacto da expansão urbana sobre a vegetação do município do Rio de Janeiro, RJ. (Monografia) UFRRJ, Seropédica – RJ. 2009. 34 pp.

OSTERROHT, M. von. SAFs versus sustentabilidade. Agroecologia hoje, Ano 3, n.15, p.4, jul/ ago 2002.

PASCHOAL, Adilson D. Produção orgânica de alimentos: agricultura sustentável para os séculos XX e XXI. Piracicaba/SP: Edição do autor.1994.

REGO, Helena de Almeida.Urbanismo e infra-estrutura, construindo a cidade do Rio de Janeiro: da formação do município ao projeto Rio Cidade. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Urbanismo - PROURB, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2004, pp.146,147.

SCHAFFER, W.B. & PROCHNOW, M (org.) A Mata Atlântica e Você: como preservar, recuperar e se beneficiar da mais ameaçada floresta brasileira. Brasília: Apremavi, 2002.

ZAMITH L.R. & SCARANO, F.R. Produção de mudas de espécies das Restingas do município do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Acta bot. bras. 18(1): 161-176. 2004.

APREMAVI – Associação de Prevenção do Meio Ambiente e da Vida - Rio do Sul, SC - A Mata Atlântica e sua importância.

BRASIL. Lei n.º 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o novo Código Florestal. Lex: Coletânea de Legislação Ambiental, Constituição Federal. 6ª. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007 - pp. 481-492.

CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente - Resolução n.º 004, de 18 de setembro de 1985. Disponível em: www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm? codlegi=21 Acesso em: 20 dez. 2009.

Guia das Unidades de Conservação Ambiental do Rio de Janeiro. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 1998, pp. 159 a 160.

www.vejario.abril.com.br/edicao-da-semana/historia-da-barra-647061.shtml

 

Gostou das dicas? Deixe seus comentários e outras sugestões bibliográficas abaixo.

Filmografia Sugerida

Sugestões de vários tipos de filmes, de todos os tamanhos, expressões e orçamentos, para inspirar... Antes de assistir, confira a classificação indicativa:

Alices, de Quiterio Franklin. Brasil, 2010: http://curtaocurta.com.br/filme/alices_-914.html

Alma Suburbana, de Núcleo de Arte Grécia e Subúrbio em Transe. Brasil, 2007: https://www.youtube.com/watch?v=WY7bN8LDh4E

A Árvore da Música, de Otavio Juliano. Brasil, 2009.

Avatar (Avatar), de James Cameron. EUA/Reino Unido, 2009.

Carlota Joaquina, de Carla Camurati. Brasil, 1995.

Ilha das Flores, de Jorge Furtado. Brasil, 1989.

Luiz Poeta - Ser Cultural / Mundos Simbólicos, de Ian M. Queiroz e Ana B. Salgado. Brasil, 2012.: http://www.youtube.com/watch?v=StWytGH39SU

Na Natureza Selvagem (Into the Wild), de Sean Penn. EUA, 2008.

A Serpente, de Lais Rodrigues e Miguel Przewodowski. Brasil, 2010: https://www.youtube.com/watch?v=bj5M3ZN42A0#t=75

Teclópolis (Teclópolis), de Javier Mrad e Cancan Club. Argentina, 2009: https://www.youtube.com/watch?v=m4YPDh8_Myw

Uma Verdade Inconveniente (An Inconvenient Truth), de Davis Guggenheim. EUA, 2006.

 

Gostou das dicas? Deixe seus comentários e indicações outros filmes abaixo.

Comentários

Deixe seu comentário

* Apenas usuários cadastrados e logados podem postar comentários
(Faça seu login ou clique aqui para se cadastrar)